Seguir para o conteúdo.
Sábado, 2 de Agosto de 2014
Secções
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Entrada » Higiene e Segurança no Trabalho » Equipamento de Protecção Individual » Protecção da Cabeça

Protecção da Cabeça

Descrição das diversas características, obrigatórias e opcionais, a que devem obedecer os dispositivos para protecção da cabeça e respectivos critérios de selecção.



Neste grupo de Equipamentos de Equipamentos de Protecção Individual (EPI’s) consideram-se os Capacetes que têm como função principal resguardar o crânio de agressões externas durante a execução dos trabalhos. A selecção do Capacete adequado a determinado fim deve efectuar-se em função dos riscos a que o trabalhador está exposto, nomeadamente os devidos a choques resultantes da queda de objectos ou do impacto da cabeça contra um obstáculo, ou ainda devido a factores agressivos (por exemplo, ácidos, eléctricos e protecções incandescentes).

Estes EPI’s devem assim ter capacidade de absorção de choque evitando quaisquer lesões na cabeça, bem como terem características adequadas de conforto (peso, ventilação, estanquidade e de isolamento térmico).


    



Características gerais e obrigatórias

Características Opcionais

Selecção e utilização


Características gerais e obrigatórias


Os Capacetes de protecção podem ser de dois tipos (I e II).

Os Capacetes de tipo I diferem dos de tipo II apenas por estes não terem pala e possuírem aba de dimensão que pode ser variável em toda a periferia do Casco.

Os Capacetes são constituídos, em ambos os tipos, fundamentalmente pelo Casco (parte exterior resistente que inclui a calote, pala e aba) e pelo Arnês (conjunto de elementos cuja função principal é de absorção da energia transmitida pelo choque).

As características gerais a serem observadas pelos Capacetes de protecção são estabelecidas quanto à natureza dos materiais que os constituem e respectiva massa e dimensões dos seus elementos, incluindo folgas exigíveis. Dessas características salienta-se que é permitido para o Casco qualquer tipo de material desde que satisfaça as análises e ensaios normalizados que são exigidos. Para o Arnês impõe-se que o material não seja absorvente nem rígido, bem como não conter cordões. Ao conjunto estabelece-se que a massa deve estar contida entre 290g e 350g para os do tipo I e entre 340g e 400g para os do tipo II, bem como a altura de uso ser entre 80mm e 90mm.

Como características obrigatórias a considerar referem-se as exigidas em relação à estrutura do Casco, à capacidade de absorção de choque e a resistência à penetração e à propagação das chamas.

Para a primeira (estrutura do casco), a resistência deve ser mais uniforme possível e não ter reforços especiais em qualquer ponto, bem como as superfícies exteriores e interiores, serem cuidadosamente acabados e apresentarem bordos lisos e arredondados.


Topo de Página


Características Opcionais


Os Capacetes podem ainda ser objecto de exigências específicas devido a condições de utilização mais gravosas, nomeadamente quanto a: capacidade de absorção de choque; rigidez lateral; resistência à penetração à temperatura e isolamento eléctrico (protecção até 440v).


Topo de página


Selecção e utilização


Sob o ponto de vista de utilização, os materiais mais aconselháveis para os Capacetes são os de plástico (reforçados ou não) para trabalhos de montagens de estruturas e estaleiros de obras. Para combate a incêndios devem utilizar-se os Capacetes de ligas de alumínio, os quais não são aconselháveis em trabalhos de construção civil devido à sua condutibilidade eléctrica. Por outro lado, os Capacetes do tipo I são mais utilizados em trabalhos de construção civil em geral, sendo os do tipo II mais aconselhados em trabalhos de escavações em galerias ou outros em que se exija maior eficiência na protecção da nuca aquando da queda de objectos.

Quanto à cor, devem ser adaptadas cores claras para maior reflexão dos raios solares e conforto térmico no Verão, podendo a entidade empregadora definir um código de cores específico que permita distinguir a categoria dos seus empregados.

Deve salientar-se ainda que as variações climáticas, e a utilização e acondicionamentos incorrectos (por exemplo, à luz e calor), provocam o envelhecimento dos materiais, isto é, alteração das características físicas e mecânicas dos Capacetes, pelo que devem ser efectuadas revisões e testes periódicos.

Os Capacetes devem satisfazer os requisitos da norma portuguesas NP EN 397:1995, apresentar de forma legível e indelével a seguinte marcação de garantia:

          • Número da norma;
          • País de origem;
          • Nome do fabricante;
          • Mês e ano de fabrico;
          • Referência a características opcionais que tenham sido consideradas.

Deve ser exigido ao fabricante um manual de instruções que contenha informação sobre armazenamento, utilização, limpeza, manutenção, desinfecção, acessórios, peças sobressalentes e data ou prazo de validade.


Topo de Página




Criado por razevedo
Última modificação 2006-03-08 17:29

Autenticação

   
 
 

Câmara Municipal da Maia MaiaInova POS_Conhecimento FEDER