Seguir para o conteúdo.
Terça-Feira, 29 de Julho de 2014
Secções
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Entrada » Higiene e Segurança no Trabalho » Sector de Actividade » Reparação Automóvel » Riscos e Medidas de Prevenção

Riscos e Medidas de Prevenção

Exemplos dos principais Riscos e das respectivas Medidas de Prevenção para algumas das principais tarefas do sector da Reparação Automóvel

Riscos e Medidas de Prevenção associados às seguintes tarefas





Trabalhos executados debaixo de veículos

 

Perigos / Riscos

  • Cedências ou ruptura ou incorrecta colocação dos equipamentos (cavaletes, elevadores e macacos pneumáticos) – risco de esmagamento dos trabalhadores devido à queda do veículo, peças e ferramentas, risco de queda de objectos e choque com objectos.
  • Choque com outros veículos - risco de esmagamento.
  • Cedência do pavimento – risco de esmagamento.
  • Contacto com aparadeiras de óleos e combustíveis -  risco de escorregamento, queda ao mesmo nível e risco de contacto com substâncias nocivas.
  • Abertura da fossa desprotegida – risco de queda em altura, risco queda de objectos, acumulação de atmosferas explosivas e risco de incêndio ou explosão.
  • Posturas incorrectas por parte do trabalhador – risco de desrespeito pelos princípios ergonómicos.
  • Risco eléctrico devido a uma falha eventual do sistema.

 

Imagem à esquerda: utilização de um macaco hidráulico para elevação de um veículo.
Imagem à direita: trabalhos realizados debaixo de um veículo (num elevador)

Medidas de Protecção e Prevenção


  • Os trabalhos debaixo de veículos só devem ser realizados em zonas que sejam niveladas e que não apresentem risco de cedência.
  • Dever-se-á respeitar a carga máxima de macacos, cavaletes e elevadores e manter estes equipamentos em bom estado de conservação submetendo-os a inspecções com regularidade.
  • Quando um veículo é levantado em relação ao nível do solo a zona de trabalhos deverá ser devidamente sinalizada e o veículo deverá estar nivelado.
  • Nos trabalhos debaixo do veículo o trabalhador deverá utilizar um estrado ergonómico.
  • Os elevadores devem ser objecto de uma manutenção cuidada e regular, devendo esta estar devidamente registada. A sua utilização deve ser feita por trabalhadores formados e designados para o efeito.
  • Os trabalhadores deverão utilizar botas de protecção com biqueira de aço e quando contactam directamente com substâncias nocivas, luvas de protecção.
  • As aparadoras de óleos ou outros fluidos devem ser adequadas para o efeito. Devem ser utilizados extractores de óleo.
  • A zona envolvente às fossas deve ser delimitada por faixas amarelas e pretas e deverá existir um rodapé de protecção à volta da fossa. Quando esta não é utilizada, deverá estar protegida por guarda corpos com cerca de 1 metro de altura.
  • As fossas no geral deverão ter no mínimo 1 metro de largura e 1,5 metros de profundidade. Deverão também possuir iluminação antideflagrante, resistente à água e hidrocarbonetos. Se possível deverá ser instalado um sistema de ventilação e renovação do ar na fossa e dever-se-á acoplar ao escape do veículo uma mangueira flexível de exaustão de gases.

topo da página 


Trabalhos com equipamentos com movimentos rotativos

 

Perigos / Riscos

  • Fractura do disco de esmeriladoras e rebarbadoras – risco de projecção de objectos ou partículas.
  • Incorrecta utilização do equipamento – risco de eléctrico – risco de corte e risco de projecção de partículas.
  • Libertação de poeiras e partículas incandescentes -  risco de inalação de poeiras e risco de incêndio ou explosão.    

 

  

Imagem à esquerda: polimento de uma superfície (após pintura)
Imagem à direita: exemplo de uma rebarbadora (desprovida de protecção do disco)

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Utilizar discos e ferramentas adequados à velocidade e especificidade dos trabalhos a executar.
  • Possuir protecção dos discos em movimento e não remover esta protecção, excepto em situações de manutenção.
  • Verificar sempre a correcta fixação do disco.
  • Se possível, implementar um sistema de aspiração localizada.
  • Realizar os trabalhos numa zona adequada afastada de materiais combustíveis.
  • Sempre que necessário utilizar protecção auricular e usar os seguintes EPI’s: botas com biqueira de aço, luvas, óculos de protecção ou viseira e protecção das vias respiratórias.



topo da página


Lubrificação de viaturas

 

Perigos / Riscos

  • Contacto com combustíveis e óleos lubrificantes – risco de contacto com substâncias nocivas, risco de escorregamento e queda, risco de incêndio ou explosão.
  • Risco de esmagamento devido à ruptura de cavaletes ou falha do elevador hidráulico.
  • Risco de queda de objectos (peças do veículo).
  • Risco de esmagamento devido à queda do veículo.
  • Risco de queda ao mesmo nível.

  

Imagem à esquerda: aparadeira para recolha de óleos lubrificantes usados
Imagem à direita: medidores de óleo lubrificante


Medidas de Protecção e Prevenção



  • Evitar o contacto com os óleos lubrificantes e os combustíveis.
  • Isolar esta zona de trabalhos. O piso deverá possibilitar o escoamento de água e se necessário a retenção de fugas de óleo ou outros fluidos.
  • Colocação de sinalização de proibição de fumar e foguear.
  • Evitar ao máximo o contacto com os óleos e combustíveis e sempre que necessário utilizar luvas apropriadas ao seu manuseamento.
  • Verificar periodicamente os cavaletes, elevadores ou fossas de visita e procurar mantê-los desobstruídos sem entulho ou ferramentas desnecessárias.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.
  • Utilização de luvas, capacete (em trabalhos debaixo do veículo) e calçado de protecção anti-derrapante.


topo da página 


Análise de gases

 

Perigos / Riscos

  • Libertação de gases perigosos à saúde, nomeadamente o monóxido de carbono – risco de inalação de gases e risco de asfixia.
  • Contacto com materiais e substâncias a altas temperaturas, nomeadamente: radiador, bloco do motor e panelas de escape – risco de queimadura.
  • Contacto com elementos em funcionamento, nomeadamente: correias do motor e a ventoinha de arrefecimento do radiador – risco de corte e de esmagamento.
  • Derrames de fluidos sobre os equipamentos – risco eléctrico e de queda ao mesmo nível.

       


Imagem à esquerda: analisador de gases
Imagem à direita: analisador de gases (e respectiva sonda para colocação no tubo de escape)

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Delimitar as zonas de trabalho e colocar sinalização com indicação de proibição de fumar.
  • Ventilação apropriada da secção da oficina destinada à análise de gases.
  • Implementar / utilizar um sistema colector de exaustão de gases de escape.
  • Utilizar luvas de protecção térmica aquando da colocação do colector de gases no escape dos veículos e nunca retirar este equipamento sem antes desligar a viatura.
  • Evitar sempre a inalação directa dos gases de escape.
  • Utilização de EPI’s: botas com biqueira de aço e luvas (que confiram protecção mecânica e térmica). Se se justificar, utilizar adicionalmente protecção auricular.



topo da página 


Rectificação e colocação de discos e pastilhas de travões

 

Perigos / Riscos

  • Contacto com peças sujeitas a uma grande velocidade de rotação – risco de corte, de projecção de partículas e risco de incêndio ou explosão.
  • Ruptura e projecção de materiais ou ferramentas – risco de projecção de materiais ou substâncias.


   

Imagem à esquerda: máquina de rectificar discos de travões
Imagem à direita: colocação de discos e pastilhas de travões

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Não utilizar o equipamento em locais onde haja o perigo de incêndio ou explosão.
  • Não utilizar roupas muito largas e utilizar manguitos para evitar o agarramento e aprisionamento nos órgãos móveis da máquina.
  • A zona de tracção da máquina rectificadora deverá estar equipada com um protector.
  • A máquina deverá estar devidamente nivelada e a zona envolvente aos trabalhos desobstruída.
  • Uso obrigatório de luvas, óculos ou viseira de protecção, botas com biqueira de aço e máscara anti-poeiras.
  • Este local de trabalho deverá possuir pelo menos um extintor de pó-químico ABC.


topo da página 


Recuperação e recarga de fluidos de ar condicionado

 

Perigos / Riscos

  • Contacto do gás com a pele dos trabalhadores – risco de contacto e inalação de gases perigosos.
  • Ventilação insuficiente – risco de asfixia.
  • Libertação (fuga) de gases; contacto destes com chama ou fogo – risco de incêndio, explosão.
  • Risco de projecção de peças e queimaduras.

  

Imagem à esquerda: máquina de reciclagem de ar condicionado
Imagem à direita: máquina de reciclagem de ar condicionado (instruções de segurança)

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Os equipamentos e máquinas de carregar fluidos de ar condicionado devem ser utilizados somente em áreas próprias para uso de gases refrigerantes.
  • Nunca aproximar qualquer fonte de calor ou chama do gás refrigerante e não permitir que este entre em contacto com um motor em funcionamento.
  • Nunca usar ar comprimido para detectar eventuais fugas de gás. 
  • Manter as tubagens de ar condicionado sempre bem afastadas de peças quentes do motor.
  • Nunca remover o filtro quando sujeito a forças de pressão.
  • Evitar sempre a inalação de gás refrigerante ou até o próprio vapor do lubrificante, assim como o contacto do gás refrigerante com a pele, uma vez que pode provocar graves queimaduras.
  • Utilização de EPI’s: botas com biqueira de aço, óculos / viseira e luvas.


topo da página


Carregamento de baterias

 

Perigos / Riscos

  • Queda da bateria e consequente derramamento do ácido – risco de queda de objectos e queimaduras por contacto com o ácido.
  • Libertação de gases – risco de incêndio ou explosão.
  • Ventilação insuficiente no posto de trabalho e possibilidade de formação de faíscas – risco de incêndio /explosão e risco eléctrico.

  
Imagem à esquerda: carregamento de baterias
Imagem à direita: carregador de baterias

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Manter sempre os fios condutores em bom estado de conservação.
  • Os locais de carga da bateria devem ser isolados das restantes áreas da oficina e deverão estar convenientemente ventilados.
  • Nunca fumar ou foguear nas proximidades da zona onde se efectua a manutenção e recarga das baterias.
  • Desligar as baterias começando sempre pelo borne negativo.
  • Dotar esta secção de meios de extinção de incêndios.
  • Utilização de EPI’s: botas com biqueira de aço, óculos / viseira e luvas (apropriadas para manuseamento de ácidos).


Desempeno e separação das peças

 

Perigos / Riscos

  • Cedências, ruptura ou incorrecta colocação dos equipamentos (cavaletes, elevadores e macacos pneumáticos) – risco de esmagamento derivado da queda do veículo - risco de queda e choque com objectos.
  • Choque com outros veículos - risco de esmagamento.
  • Cedência do pavimento – risco de esmagamento.
  • Queda de ferramentas/peças da viatura – risco de corte e esmagamento.
  • Não cumprimento da carga máxima ou falha no sistema hidráulico ou pneumático do banco de ensaio/esticador – risco de corte e de esmagamento.
  • Fractura do disco da esmeriladora e da rebarbadora / incorrecta utilização dos equipamentos - risco de inalação de poeiras,  corte, projecção de material incandescente e risco de abrasão.
  • Projecção de peças, pequenos componentes e fragmentos dos veículos – risco de projecção de materiais, corte e esmagamento.
  • Projecção de peças e fragmentos no banco de ensaio – risco de corte e de projecção de materiais.
  • Ruído excessivo proveniente do desempeno das carroçarias e chapas metálicas – risco de exposição ao ruído.

  

Imagem à esquerda: separação de peças
Imagem à direita: desempeno manual de uma carroçaria

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Os trabalhos desempeno e separação de peças de veículos só devem ser realizados em zonas que sejam niveladas e que não apresentem risco de cedência.
  • O espaço de trabalho deve estar devidamente delimitado e deve-se tentar manter o mais possível desobstruído, arrumado e limpo.
  • Dever-se-á respeitar a carga máxima de macacos, cavaletes e elevadores e manter estes equipamentos em bom estado de conservação submetendo-os a inspecções regulares.
  • Os trabalhadores deverão utilizar botas de protecção com biqueira de aço assim como protecção dos olhos (para proteger de estilhaços).
  • Os macacos hidráulicos deverão ser utilizados exclusivamente para levantar e fazer descer o veículo. Não o poderão sustentar. No caso de estarem sujeitos a uma sobrecarga acidental deverão ser inspeccionados de imediato.
  • O banco de ensaio / esticador nunca deve ser submetido a sobrecargas. Deve estar sujeito a manutenção cuidada e deverá ser parado imediatamente no caso de apresentar fugas de óleo ou algum tipo de trepidação anormal.
  • Nos locais esmerilagem / rebarbagem deverá existir um dispositivo de aspiração localizada (para pequenas partículas e poeiras), deverá também ser verificada a adequabilidade e respectivo aperto dos discos a utilizar.
  • Utilização de protecção auricular na realização das operações de desempeno de carroçarias e peças metálicas.


topo da página


Preparação da superfície para a pintura

 

Perigos / Riscos

  • Incorrecta conservação e utilização da lixadeira (e consequente projecção de faíscas) – risco de projecção de partículas.
  • Risco de incêndio ou explosão.
  • Ruptura do disco -  risco de projecção de partículas e da ferramenta.
  • Formação e libertação de poeiras – risco de inalação de poeiras.
  • Contacto com solventes e partículas (na lixagem a água) – risco de contacto com materiais e substâncias.

  

Imagem à esquerda: preparação da porta de uma viatura para pintura
Imagem à direita: preparação da carroçaria de um veículo para pintura

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Utilização de discos apropriados e certificados.
  • Verificação periódica do estado de conservação da lixadora assim como dos discos.
  • Utilização de um sistema de aspiração localizada.
  • Delimitação da área de trabalho e remoção de todos os líquidos ou materiais inflamáveis.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.
  • Utilização de EPI’s, para as vias respiratórias, mãos, olhos e pés.


topo da página


Aplicação de produtos anticorrosivos e primários de pintura

              

Perigos / Riscos

  • Libertação de vapores tóxicos (dos solventes utilizados) – risco de inalação de vapores tóxicos.
  • Contacto com substâncias nocivas e potencialmente inflamáveis - risco de contacto com materiais e substâncias (problemas na pele).
  • Risco de incêndio e explosões.


      

Imagem à esquerda: aplicação de produtos anticorrosivos e primários de pintura
Imagem à direita: aplicação de produtos anticorrosivos e primários de pintura   

                               

Medidas de Protecção e Prevenção



  • Todos os compostos químicos utilizados devem possuir fichas de segurança. As indicações (frases S e R) presentes na ficha de segurança deverão ser seguidas com precaução.
  • Fechar sempre as latas e embalagens de produtos que não estão a ser utilizados.
  • A aplicação dos primários e anticorrosivos deve ser feita em locais apropriados, devidamente sinalizados e de preferência com um sistema de exaustão localizada.
  • Os produtos deverão ser guardados e armazenados segundo as suas características e respectivos graus de compatibilidade. Os locais de armazenamento devem estar isolados da exposição directa ao sol e deverão possuir também uma ventilação adequada.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.
  • Não fumar ou foguear.
  • Utilização de EPI’s para as mãos, olhos / rosto e vias respiratórias.


topo da página


Preparação das tintas

 

Perigos / Riscos

  • Derrames de líquidos sobre a bancada de trabalho e sobre o pavimento – risco de queda ao mesmo nível e risco de contacto com materiais e substâncias.
  • Local de trabalho com ventilação insuficiente e libertação de solventes orgânicos – risco de asfixia, incêndio / explosão e inalação de substâncias.
  • Contacto com substâncias nocivas – risco de inalação e contacto com substâncias.

  

Imagem à esquerda: doseamento de tinta
Imagem à direita: preparação de uma tinta

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Sempre que possível devem ser utilizadas tintas e solventes que apresentem a menor toxicidade possível.
  • Implementar um sistema de aspiração localizado.
  • Nunca fumar ou foguear no local de preparação de tintas.
  • Os produtos deverão ser armazenados num local seco e convenientemente ventilado.
  • Existência de bacias de retenção.
  • Delimitação da área de trabalho e sinalização da mesma através de pictogramas que indiquem também a obrigatoriedade de uso de EPI’s as vias respiratórias, mãos e olhos.
  • Disponibilizar as fichas de segurança, mantê-las num local acessível e em boas condições.
  • As embalagens dos produtos utilizados deverão estar todas rotuladas e as substâncias mais nocivas deverão ser substituídas por outras menos prejudiciais (sempre que possível).
  • Redução ao mínimo indispensável das quantidades de tintas e solventes presentes na bancada e tapar convenientemente os frascos / latas sempre que não estejam a ser utilizadas.
  • Assegurar uma ventilação e renovação do ar eficiente no local onde são preparadas as tintas (e espaço envolvente).
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.
topo da página 



Pintura

 

Perigos / Riscos

  • Trabalhos executados em espaços confinados e isolados – risco psicossocial (devido ao isolamento e à monotonia do trabalho).
  • Risco de incêndio/explosão.
  • Risco de stresse térmico.
  • Risco de exposição ao ruído devido às ferramentas pneumáticas.
  • Risco de intoxicação, asfixia e queimaduras.
  • Inexistência de ligação à terra – risco eléctrico.
  • Mistura de vários solventes orgânicos no mesmo espaço e consequente existência de vapores – risco de contacto e inalação de substâncias nocivas.

  

Imagem à esquerda: pintura da carroçaria de um automóvel
Imagem à direita: pintura da carroçaria de um automóvel

Medidas de Protecção e Prevenção

  • A cabine de pintura deverá ser construída com base em materiais incombustíveis e deverá ter acoplado um sistema de extracção de gases e vapores.
  • A iluminação das câmaras de pintura deverá ser do tipo antideflagrante.
  • Nunca fumar ou foguear na cabine de pintura. Colocação de sinalização de uso obrigatório de EPI’s - para as vias respiratórias, mãos, olhos, pés e protecção auricular (se os níveis de ruído o justificarem). No respeitante às vias respiratórias, as máscaras a utilizar deverão ser de carvão activo.
  • Manter os EPI’s em bom estado de conservação e estabelecer uma calendarização regular para substituição dos filtros.
  • Utilizar sempre vestuário e calçado anti-estático apropriados às temperaturas existentes na câmara de pintura.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo sujeita a salpicos de tinta.
  • Nunca permanecer na cabine de pintura durante todo o processo de secagem.
  • Dotar a zona de meios de combate a incêndios.
topo da página 


Secagem por Infravermelhos

 

Perigos / Riscos

  • Falta de ligação à terra incorrecta ou inexistente – risco eléctrico.
  • Mistura de vários solventes orgânicos no mesmo espaço e consequente existência de vapores – risco de incêndio e explosão.
  • Risco de queimaduras.
  • Risco de contacto com substâncias e inalação de vapores.
  • Local de trabalho com ventilação insuficiente – risco de asfixia devido à inalação de substâncias nocivas.

  

Imagem à esquerda: secagem por infravermelhos
Imagem à direita: secagem por infravermelhos

Medidas de Protecção e Prevenção



  • O equipamento utilizado deve ser antideflagrante.
  • Nunca permanecer na cabine de pintura durante todo o processo de secagem.
  • Promover a ventilação do local de modo a diminuir a concentração de substâncias nocivas.
  • Ligação do equipamento à terra.
  • Dotar o local de meios de combate a incêndios.
  • Nunca fumar ou foguear na cabine de secagem. Colocação de sinalização de uso obrigatório de EPI’s - para as vias respiratórias, mãos, olhos e pés.


topo da página 


Lavagem de instrumentos e recuperação do diluente

 

Perigos / Riscos

  • Utilização incorrecta da máquina de lavar pistolas.
  • Falta de ligação à terra – risco eléctrico.
  • Espaço de trabalho reduzido e ventilação insuficiente. Esta situação provoca a existência de vapores – risco de incêndio e explosão.
  • Risco de asfixia e queimaduras.
  • Risco de contacto com substância nocivas e inalação de vapores.

                                     Imagem: bancada de lavagem de instrumentos de pintura e respectivo sistema de exaustão


Medidas de Protecção e Prevenção



  • Nunca fumar ou foguear perto do diluente ou outros solventes.
  • Colocação de sinalização de uso obrigatório de EPI’s - para as vias respiratórias, olhos e mãos.
  • Implementar um sistema adequado de extracção de vapores.
  • Promover a ventilação deste local de trabalho.
  • Ligação dos equipamentos eléctricos à terra.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.

topo da página


Polimento

 

Perigos / Riscos

  • Contacto directo ou indirecto com peças rotativas em movimento – risco de projecção de objectos ou partículas.
  • Risco de corte e abrasão.
  • Incorrecta utilização do equipamento – risco de eléctrico.
  • Incorrecta utilização do equipamento – risco de contacto e inalação de substâncias nocivas para a pele e vias respiratórias.


                                                       Imagem: polimento final de uma superfície (após pintura)

Medidas de Protecção e Prevenção



  • Utilizar discos e ferramentas adequados à velocidade e especificidade dos trabalhos a executar.
  • Se possível, adaptar um sistema de aspiração localizada neste posto de trabalho para “captar” o pó libertado.
  • Utilizar EPI’s para olhos, mãos e vias respiratórias.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.
  • Verificar a fixação do disco assim como do bom estado geral de todas as ferramentas.
  • Nunca remover as protecções das máquinas utilizadas.
  • Manutenção regular e periódica dos equipamentos eléctricos utilizados.


topo da página 


Trabalhos de Soldadura - Soldadura e corte de oxi-acetileno

 

Perigos / Riscos



  • Local de trabalho com ventilação insuficiente e libertação de gases perigosos (monóxido de carbono) – risco de asfixia e inalação de gases e fumos nocivos.
  • Projecção de partículas incandescentes – risco de queimadura e exposição a radiações.
  • Retorno da chama – risco de queimadura, incêndio e explosão.


Imagem: máquina de soldadura/corte por chama oxiacetilénica

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Delimitar as zonas destinadas aos trabalhos de soldadura, mantê-las devidamente arrumadas e desimpedidas de obstáculos e detritos (especialmente os combustíveis).
  • Não fumar ou foguear na proximidade do combustível.
  • Implementar um sistema de exaustão de gases de soldadura.
  • Utilização de EPI’s para as mãos, olhos / rosto e vias respiratórias.
  • O trabalhador deverá utilizar um avental e luvas de couro que lhe confiram uma protecção térmica e mecânica.
  • Aplicar válvulas anti-retorno nas garrafas. Estas deverão permanecer de pé e estar presas.
  • Promover o bom estado de conservação e manutenção das tubagens, garrafas e do maçarico.

topo da página


Trabalhos de Soldadura - Soldadura por eléctrodo revestido / TIG / MIG-MAG / Por Pontos

                             

Perigos / Riscos

  • Local de trabalho com ventilação insuficiente e consequentemente libertação de gases e fumos – risco de asfixia e inalação de gases e fumos nocivos.
  • Projecção de partículas incandescentes – risco de queimadura e exposição a radiações, incêndio e explosão.
  • Mau estado de conservação do equipamento e incorrecta utilização do mesmo – risco eléctrico.
  • Risco de incêndio e explosões.



Imagem: máquina de soldar por arco eléctrico - por eléctrodo revestido

Medidas de Protecção e Prevenção



  • Utilização de EPI’s para as mãos, olhos / rosto (com filtros apropriados) e vias respiratórias.
  • O trabalhador devera utilizar um avental e luvas de couro que lhe confiram uma protecção térmica e mecânica.
  • Ligação dos Equipamentos de soldadura à terra e protecção diferencial.
  • Delimitar as zonas destinadas aos trabalhos de soldadura, mantê-las devidamente arrumadas e desimpedidas de obstáculos e detritos (especialmente os combustíveis).
  • Não efectuar trabalhos de soldadura caso o solo esteja húmido ou com derrames de fluidos.
  • Se possível, implementar um sistema localizado de exaustão de gases de soldadura.

topo da página


Junção / união de plásticos, tecidos e outros componentes

              

Perigos / Riscos

  • Libertação de vapores (das colas e solventes utilizados) – risco de inalação de vapores tóxicos ou nocivos.
  • Contacto com substâncias nocivas e potencialmente inflamáveis - risco de contacto com materiais e substâncias (dermatites de contacto).
  • Risco de incêndio e explosões.
  • Risco de corte em arestas cortantes dos objectos.

 

Imagem à esquerda: junção de materiais
Imagem à direita: trabalho de junção de plásticos e tecidos na porta de uma viatura

Medidas de Protecção e Prevenção



  • Todos os compostos químicos utilizados devem possuir fichas de segurança. As indicações (frases S e R) presentes na ficha de segurança deverão ser seguidas com precaução.
  • Os produtos deverão ser guardados e armazenados segundo as suas características e respectivos graus de compatibilidade. Os locais de armazenamento devem estar isolados da exposição directa ao sol e deverão possuir também uma ventilação adequada.
  • Não inalar directamente os vapores das colas e solventes.
  • Não fumar ou foguear neste local d trabalho.
  • Utilização de EPI’s para as mãos, olhos / rosto e vias respiratórias.
  • Nunca utilizar diluente, nafta, tricloroetileno, tetracloroetileno ou detergentes de limpeza para lavar as mãos ou outra parte do corpo.
topo da página 


Reparação, polimento e substituição de vidros

              

Perigos / Riscos

  • Libertação de vapores tóxicos (das colas e massas isoladoras utilizados) – risco de inalação de vapores.
  • Contacto com substâncias nocivas e potencialmente inflamáveis - risco de contacto com materiais e substâncias (problemas na pele).
  • Risco de incêndio e explosões.
  • Transporte e sustentação de pesos excessivos – risco de desrespeito pelos princípios ergonómicos e risco de corte.
  • Queda acidental dos vidros – risco de corte e esmagamento.
  • Projecção de pequenos cristais ou vidros – risco de projecção de materiais.
  • Risco de corte e perfuração nos vidros e ferramentas de corte.


 

Imagem à esquerda: aplicação de um vidro numa viatura
Imagem à direita: "faca" (dispositivo) de corte de vidros e borrachas

Medidas de Protecção e Prevenção

  • As colas e massas isoladoras utilizados devem possuir fichas de segurança. As indicações (frases S e R) presentes na ficha de segurança deverão ser seguidas com as devidas precauções.
  • Utilizar as colas e massas isoladoras em locais bem com ventilação adequada. Não fumar nem foguear durante e depois da sua aplicação.
  • Manter as ventosas e “facas de vidros” em bom estado de conservação e devidamente afiadas.
  • Utilização de EPI’s para as mãos, pés, rosto e olhos.
  • Formação e informação dos trabalhadores na perspectiva de se adoptarem posturas correctas de modo a evitar perturbações de ordem músculo-esquelética.

topo da página 


Preparação e lavagem de Viaturas

 

 Perigos / Riscos

  • Libertação de vapores tóxicos (detergentes e abrilhantadores) – risco de inalação de vapores tóxicos.
  • Contacto com substâncias irritantes e nocivas (produtos de limpeza) - risco de contacto com materiais e substâncias (problemas na pele), e náuseas.
  • Elevados níveis de ruído provenientes do aspirador, ferramentas pneumáticas de soprar e o próprio motor do veículo – risco exposição ao ruído.
  • Libertação de gases de escape e ventilação insuficiente – risco de asfixia.
  • Libertação de vapor de água e desconforto térmico (resultante do contacto com água a diferentes temperaturas num espaço confinado) – risco de stress térmico.
  • Pavimento escorregadio devido à água e detergentes – risco de queda e escorregamento ao mesmo nível.



    

Imagem à esquerda: lavagem de uma viatura
Imagem à direita: preparação e limpeza de uma viatura

                                               

   

Imagem à esquerda: máquina automática de lavagem de viaturas
Imagem à direita: pistola de pressão para lavagem de viaturas

Medidas de Protecção e Prevenção

  • Utilização de um fato impermeável (confortável) e ajustado às temperaturas do local de trabalho.
  • Utilização de luvas e botas de protecção impermeáveis, assim como protecção auricular (se se justificar).
  • Substituir os produtos de limpeza e os detergentes mais nocivos por outros menos nocivos.
  • A zona de trabalhos deverá estar dotada de um pavimento antiderrapante com uma ligeira inclinação para possibilitar o escoamento de água.
  • Promover a renovação de ar e a ventilação do local de trabalho (de forma natural, artificial ou mista).
  • Colocação do motor das viaturas em funcionamento durante curtos períodos (o mais curtos possível) para evitar a presença de gases e ruído no local de trabalho.


topo da página 


Trabalhos realizados em fossas de visita

 

 Perigos / Riscos

 

  • Existência de gases tóxicos – risco de inalação de gases.
  • Risco de contacto com materiais e substâncias inflamáveis e irritantes para a pele.
  • Risco de incêndio e explosão devido à presença de produtos inflamáveis e oxigénio.
  • Risco de queda em altura e queda ao mesmo nível (mesmo no interior da fossa).
  • Risco de choque devido à utilização de equipamentos ou mau estado de conservação da instalação eléctrica.
  • Risco de desrespeito pelos princípios ergonómicos devido às posturas de trabalho que muitas vezes são adoptadas.
  • Risco de choque com objectos. Este risco resulta do contacto inadvertido com ferramentas, peças que se possam soltar dos veículos ou eventualmente pancadas contra a estrutura do veículo.
  • Risco de exposição ao ruído (quando os trabalhos são efectuados com os motores em funcionamento).


 

Imagem à esquerda: fossa de visita
Imagem à direita:  fossa de visita                                                                                                                      


Medidas de Protecção e Prevenção

 

  • Estruturalmente, as fossas de visita deverão ser concebidas de modo a poderem suportar o peso dos veículos, equipamentos e ferramentas utilizados. Deverão ter no mínimo 1 metro de largura e 1,5 metro de profundidade. Relativamente ao comprimento, este deverá estar de acordo com o tipo de veículo inspeccionar / reparar: regra geral 6 metros para ligeiros e 10 metros para pesados (valores mínimos).
  • A instalação eléctrica deverá estar protegida e ser anti-deflagrante.
  • O pavimento e escadas de acesso à fossa devem ser constituídos por um material anti-derrapante e deverá existir ainda um corrimão na escada.
  • Deve-se evitar ao máximo a acumulação de objectos, vasilhame e ferramentas desnecessárias nas fossas de visita, de modo a evitar quedas, facilitar a movimentação e o trabalho. 
  • O nível de iluminação deverá rondar os 250 lux (em média). Sempre que necessário deverá ser utilizada uma gambiarra que deverá trabalhar com tensão de segurança (≤ 24 V).
  • As fossas devem possuir pelo menos um dispositivo de evacuação de gases de escape de fácil adaptação nos escapes dos veículos.
  • As fossas de visita devem possuir dispositivos de ventilação que garantam a renovação completa do ar no interior das mesmas. No entanto, a introdução de oxigénio é proibida.
  • O piso e paredes laterais da fossa de visita devem ser constituídos por materiais impermeáveis. O piso deverá ainda possuir uma inclinação de cerca de 2 %, no intuito de facilitar a recolha dos efluentes para posterior tratamento.
  • Deve ser instalado e assinalado, pelo menos um extintor de pó químico ABC no acesso à fossa.
  • As fossas devem possuir um rodapé devidamente sinalizado, através da pintura de barras amarelas e pretas.
  • O pavimento das fossas deve ser limpo sempre que se justifique de modo a evitar a acumulação de resíduos potencialmente escorregadios.
  • Deve ser colocada sinalização de proibição de fumar e foguear.
  • Não poderão ser realizados trabalhos de soldadura ou outros que envolvam chamas ou faíscas num raio de pelo menos 3 metros da fossa.
  • Consoante o tipo de trabalhos a executar, devem ser utilizados os seguintes EPI’s: óculos apropriados ou viseira, luvas, protectores auriculares, botas de protecção (anti-derrapantes), protecção das vias respiratórias – máscara anti-poeiras.
  • Quando se esperarem grandes períodos de inactividade das fossas, dever-se-á proceder à sua protecção, utilizando-se por exemplo, guarda corpos - móveis ou grades de protecção.



topo da página

Reparação / substituição de pneus, alinhamento e calibração da direcção

 

 Perigos / Riscos

  • Rebentamento e projecção de partes do pneu – risco de projecção de materiais.
  • Ruptura e projecção da jante – risco de projecção de materiais.
  • Risco de desrespeito pelos princípios ergonómicos devido a trabalhos executados em posições incómodas e manuseamento de cargas muito pesadas (especialmente pneus e jantes de pesados e máquinas).
  • Risco de queda ao mesmo nível devido ao contacto com materiais e substâncias existentes no pavimento.
  • Risco esmagamento devido à queda de veículos sujeitos a má elevação ou posicionamento (sem estabilidade).
  • Risco de corte aquando da utilização de ferramentas para colocar / retirar o pneu da jante.
  • Risco de choque com objectos. Este risco resulta do contacto inadvertido com ferramentas, peças que se possam soltar dos veículos ou eventualmente pancadas contra a estrutura do veículo.
  • Risco de exposição ao ruído proveniente das máquinas de calibração de rodas e compressores.
  • Risco de choque devido à utilização de equipamentos ou mau estado de conservação da instalação eléctrica (ex. fios descarnados pelo chão).

    

Imagem à esquerda: máquina de desmontagem de pneus (de viaturas ligeiras)
Imagem à direita: máquina equilibradora de rodas (fixa)


Imagem: máquina de alinhamento de direcções


                                    

Medidas de Protecção e Prevenção

 

  • Proporcionar aos trabalhadores bons níveis de iluminação: entre 200 a 300 lux para o ambiente de trabalho geral e entre 300 a 500 lux para os trabalhos específicos com equipamentos.
  • Promover a limpeza do pavimento na zona onde são efectuados os trabalhos e a arrumação de todos os materiais e ferramentas desnecessários.
  • Manutenção do circuito de ar comprimido e verificação periódica dos manómetros, de acordo com a legislação e recomendações do IPQ.
  • Utilização de cavaletes, macacos e elevadores apropriados e certificados.
  • Formação dos trabalhadores no âmbito da movimentação manual de cargas e riscos associados aos trabalhos com pneus e jantes.
  • Assegurar sempre que os veículos se encontram devidamente imobilizados e em posição estável, aquando da operação de desmontagem de rodas.
  • Assegurar que a jante não está fendida e verificar a sempre a possível existência de objectos perfuradores nos pneus.
  • Nunca efectuar soldaduras ou reparações nas jantes.
  • Na operação de desmontagem, devem ser utilizadas alavancas apropriadas e não se deve exercer um esforço muito grande no anel.
  • Manutenção adequada da instalação eléctrica, de todas as máquinas e respectivas protecções.
  • O enchimento de pneus só pode ser efectuado depois de uma cuidada inspecção à jante e pneu. No início desta operação deve ser utilizada uma pressão de 0,5 a 0,8 bar para um ajustamento perfeito do talão. Devem também ser utilizadas “gaiolas de enchimento” (fixas ou móveis). A projecção de partes de um pneu ou jante pode ser mortal!
  • Os trabalhadores nunca poderão sentar-se ou apoiar-se em cima dos pneus aquando do enchimento.
  • Colocação de extintores do tipo ABC devidamente sinalizados.
  • Utilização dos seguintes EPI’s: luvas (com resistência mecânica contra objectos cortantes), fato de trabalho, calçado com biqueira de aço, óculos de protecção e protectores auriculares (para trabalhos com ferramentas pneumáticas).

topo da página



Criado por admin
Última modificação 2006-03-29 15:12

Autenticação

   
 
 

Câmara Municipal da Maia MaiaInova POS_Conhecimento FEDER